Luís Ribeiro

Atual Maestro da BMBVPVL

Natural de Caldas das Taipas, começou a estudar música na Banda Musical de Caldas das Taipas com 11 anos de idade. Em 1995 ingressou no Conservatório de Música do Porto. Posteriormente ingressou na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, onde conclui a licenciatura em instrumento/saxofone.

Diplomado em Saxofone, Pós-Graduado em Pedagogia do Saxofone e Mestre em Ensino da Música, como solista já se apresentou por diversas vezes com variadas orquestras portuguesas e estrangeiras.

Foi o único saxofonista vencedor do 1º prémio do “Concurso Helena Sá e Costa – 2004”, concurso realizado pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto. Editou em 2014, o CD “Metamorfoses” com a pianista checa Ingrid Sotolarova.

Tem sido convidado a realizar masterclasses, participar em festivais internacionais e em júris de concursos nacionais e internacionais. Em 2012, foi convidado a integrar o 35º International Saxophone Symposium, realizado em Washington, Estados Unidos da América. Em 2015, esteve presente no 17º Congresso Mundial de Saxofone em Estrasburgo, onde realizou três estreias mundiais de obras de compositores portugueses a si dedicadas.

É Director artístico da Orquestra de Saxofones do Minho e da Academia Internacional de Saxofone. Membro fundador da direção da Associação Portuguesa do Saxofone que organizou o “EurSax17” Congresso Europeu de Saxofone, na cidade do Porto.

Exerceu funções na Academia de Música Valentim Moreira de Sá em Guimarães, no Conservatório de Música de Águeda, Companhia da Música em Braga e no Conservatório de Música do Porto. Por concurso público, desde 2013 lecciona na Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. É professor convidado equiparado a auxiliar no Departamento de Música do Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho. É doutorando em performance pela Universidade de Évora. É artista internacional Selmer Paris e D’Addario Woodwinds. 

No que concerne á experiência como Diretor Artístıco de Bandas de Música e Orquestras de Sopros, foram projectos desenvolvidos nos últimos anos: 2002 a 2006 – Maestro da Banda Filarmónica de Aboim da Nóbrega, Vila Verde. 2002 a 2012 – Maestro da Orquestra de Sopros do Conservatório de Guimarães. 2006 a 2013 – Maestro da Orquestra de Sopros do Conservatório Bomfim. Braga. 2006 a 2012 – Maestro Assistente na Banda Filarmónica de Amares. 2o Prémio no Concurso Internacional de Bandas de Música, 2006, Malgrat de Mar, Barcelona, Espanha. 1o Prémio no Concurso Internacional de Bandas de Música, 2008, Fermo, Itália. 2009 – Maestro Convidado para a realização de um estágio de sopros e percussão, Braga. (Conservatório de Guimarães/Conservatório Bomfim/Academia Música José Atalaya-Fafe). 2014 – Maestro Convidado para a realização de um estágio de sopros, cordas e percussão, Braga. (Conservatório Bomfim) 2016(-) – Maestro da Orquestra de Sopros do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga.

Custódio Baptista Fernandes

Anterior a 1904

Ainda antes de se chamar Banda de Música dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, cuja corporação só seria fundada em 1904, existiu a “Phylarmónica Povoense”, também designada “Música” ou “Banda da Póvoa”.Já existia desde pelo menos o início da última década do século XIX, o que é atestado por múltiplas referências e diversa documentação da época. A Banda da Póvoa foi, ainda enquanto “Phylarmónica Povoense”, regida por Custódio José Fernandes.

Custódio José Antunes

1904-1907

Custódio José Antunes, nasceu no lugar da Boa Vista, freguesia de Lanhoso, em 5 de julho de 1866, filho de João Baptista Antunes, serralheiro, natural de Fontarcada, e de sua mulher, D. Maria Joaquina, tecedeira, natural de Lanhoso, onde moravam; neto paterno de Manuel Custódio Antunes e de D. Maria Antónia, e materno de Joaquim Ferreira e D. Francisca Oliveira. Aprendeu música com o pai. Foi o primeiro mestre da BMBVPL, entre a fundação, em 1904, e o ano de 1907. O casal teve um filho que batizou com o nome de João Maria Antunes Pardelho (1897-1962) que foi um dos grandes músicos que passou pela banda dos Bombeiros Voluntários.

João Carlos de Sousa Morais

1907-1910

Chefe de música e compositor, nasceu Valença do Minho, a 29 de setembro de 1860, e faleceu no Porto, a3 de outubro de 1919. Deixando desde muito novo transparecer o chamamento da música, assenta praça em Valença, onde foi aluno, e se vai manter até 1885, quando é promovido ao posto de mestre de música. Transferido para o Regimento de Infantaria n. º 2, em Lisboa, matricula-se no Conservatório. Mais tarde, já como chefe de música, transita para Beja, sendo depois colocado no Porto, assumindo a regência da Banda do Regimento de Infantaria n.º 6. Como compositor, são bem conhecidas as suas obras, principalmente as rapsódias. Entre muitas outras, podemos referir as Rapsódias de Cantos do Minho, Alto Minho, Cantos Populares do Porto, Baixo Alentejo, Hilariana, Serra do Pilar e Flores do Minho. Assumindo a BMBVPL em 1907, onde também ministrou o ensino da música, e onde compôs algumas obras dedicadas à Póvoa de Lanhoso, a nossa Banda viria mesmo a ser premiada em concurso na cidade de Braga (registado em jornal local). Acabará por deixar a BMBVPL quando vai viver para o Porto, passando a dirigir a Banda de S. João da Madeira. "Fala-se que a banda dos bombeiros vai acabar. Mas não por culpa do atual regente (Antunes Machado), homem honesto e sabedor, que tem feito todos os esforços para que a banda continue e conserve e sustente o mesmo nome como música de 1ª em terras desta ordem". (JMF 15.01.1911)

João Albino de Carvalho Bastos

1911-1912

João Albino de Carvalho Bastos nasceu na vila da Póvoa, freguesia de Fontarcada (Póvoa de Lanhoso), a 19 de setembro de 1880, filho do negociante João António de Carvalho Bastos e de sua mulher D. Rosa Joaquina Pereira. Cresceu no coração da sua pequena vila natal em companhia de outros quatro irmãos. Sobre esta fase da sua vida, viria a escrever seu filho, o poeta João Augusto Bastos: “Nado e criado nesta formosa vila minhota, cedo começou a enfeitiçar-se do seu encantamento, do lirismo dos seus campos e montes, da majestade do seu vetusto Castelo, da magia das suas lendas, que nos falam das virtudes das águas do Fornos e dos sinos do Pilar, que prendem e encantam todos os que bebem a cristalina linfa e escutam, embebecidos, a sinfonia quérula ou festiva do repicar dos bronzes, que gemem ou cantam, no campanário, lá em riba, no colosso granítico”. (JMF 14.07.1963) José Bento da Silva considerou-o “um homem de cultura” e um “virtuoso da música”, que se distinguiu como diretor de orquestra e como homem de teatro. São da sua autoria algumas composições musicais, que escreveu para orquestras da Póvoa de Lanhoso, nomeadamente hinos de algumas instituições que, em geral, eram interpretados em cerimónias públicas ou nas famosas tardes de variedades no Teatro Club. Em 1928, foi um dos fundadores da Misericórdia povoense, quando os familiares e testamenteiros de António Lopes quiseram dar continuidade ao hospital fundado pelo “brasileiro” das Casas Novas. Morreu na sua casa das Bouças, na Póvoa de Lanhoso, em 20 de junho de 1965, quando contava 82 anos de idade.

Delfim José Teixeira*

1913-1915

Delfim José Teixeira nasceu em Monção, em 1854, onde também faleceu em 28 de dezembro de 1926. Ingressou no exército e seguiu a carreira de músico, em Braga, no Regimento de Infantaria n.º 8, como 1.º cornetim.Durante o seu percurso, além de lecionar, também se revelou competente compositor, quer de rapsódias que de músicas ligeiras para filarmónicas. Além da BMBVPL, que dirigiu em diversos momentos (1913-1915, 1918 e 1921), foi ainda regente da Banda da Oficina de S. José, da Filarmónica Bracarense e da Banda dos Bombeiros Voluntários de Braga.

António Gonçalves Magalhães

1916-1920

"Magalhães Gonçalves vai ser professor de ensino musical e reorganizar a Banda dos Órfãos de São Caetano, de Braga". (JMF 23.06.1918) Da mesma forma que em 1918 nos aparece uma referência a Daniel de Paiva, "residente em Braga" a reger a Banda dos Bombeiros (JMF 12.1918), em 1928 volta a aparecer referência a António Magalhães Gonçalves: “Há uns tempos quási abandonada, sem um regente que a eleve, a Banda dos Bombeiros da Póvoa de Lanhoso, tem agora à sua frente o antigo mestre, que é uma competência, Sr. Gonçalves Magalhães, 1º sargento músico aposentado. Simplesmente registamos com a certeza de que a nossa banda com os excelentes elementos de que dispõe, terá em breve readquirido o seu justificado renome”. (JMF 20.05.1928)

José de Abreu Dias

1922-1926

A única fonte disponível para enquadrar esta regência é o Jornal Maria da Fonte, que nos diz "Em agosto de 1923, Jorge Coutinho, de Sobradelo da Goma, foi nomeado contramestre da banda dos Bombeiros Voluntários", quando regia José de Abreu Dias, e em 1925, sob sua direcção, "a banda atuou no S. Brás, na Póvoa". Já em 1926 sublinha que "Ainda era regente José Abreu Dias". (JMF 26.08.1923; JMF 18.05.1924; JMF 20.05.1928)

Joaquim António de Morais*

1927-1928

Capitão, Chefe de música, nasceu em 14 de março de 1870 em Bragança (f. 28.03.1937), onde assentou praça voluntariamente em 1894. De 1912 a 1920 foi chefe da banda de música do Regimento de Infantaria 8 em Braga. Foi professor de música e instrumentos no Colégio dos Órfãos de S. Caetano e regente da respetiva banda de música de 1913 a 1917. Já aposentado dirigiu a BMBVPL por mais de um ano.

Narciso José da Fonseca Oliveira

1929-1958

Narciso José nasceu a 29 de julho de 1888, na Casa do Bárrio, da freguesia de Monsul (Póvoa de Lanhoso). Era filho de José Maria de Oliveira, oriundo da casa das Lage de São João de Rei, e de D. Amélia de Jesus Adelaide, natural da freguesia de S. Nicolau, concelho do Porto, e moradora na casa do Bárrio de Monsul, de onde a família era originária. Em jovem e a par com a instrução básica, aprendeu música com o padre Manuel de Argainha. Destacou-se como aluno e depois como músico, pelo que, em 1912, aos 24 anos de idade, assumiu a regênciada chamada Banda da Argainha, cargo que ocupou até 1929. Tocava violino e piano, e obteve, por exame realizado na cidade do Porto, “carta de regente”. Em 1929, com a Banda da Argainha a definhar, foi convidado para conduzir a Banda dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso. Teve uma conversa com os seus músicos e a maioria deles acompanhou-o. Funcionário do registo civil, fazia em sua casa os registos de nascimento, de casamento e de óbito da população da parte baixa do concelho, mais distante da vila, quando as viagens se faziam quase exclusivamente a pé. Nas horas vagas, o maestro sobrepunha-se ao funcionário, passando horas a copiar pautas para os seus músicos. Conta o seu neto Alberto Oliveira, que se lembra do maestro “não se deitar sem, antes, tocar pelo menos dez a quinze minutos o seu violino”. O maestro Narciso Oliveira faleceu em São João de Rei em 29 de novembro de 1967, aos 79 anos de idade, sendo sepultado no cemitério paroquial.

Artur Teixeira Basto*

1959-1961

Natural da freguesia do Outeiro, concelho de Cabeceiras de Basto, onde nasceu a 03.06.1910 (f. 28.12.1926). Ingressa no Colégio dos Órfãos de S. Caetano, onde inicia os primeiros estudos de teoria, solfejo e clarinete, dedicando-se à composição, particularmente entre 1932-1937, quando compõe cerca de 70 marchas militares e algumas ligeiras sinfónicas. Em março de 1959 inicia a sua passagem pela BMBVPL.

Abílio da Luz

1962-1963

Tocava feliscorne e cornetim na Banda dos Órfãos, em Braga. Veio para a Póvoa muito jovem, dado ser um talentoso músico. Foi trazido exatamente para se dedicar à Banda dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Lanhoso, e aqui recebido juntamente com outros jovens trazidos com o mesmo intuito. Na Póvoa, aprendeu a profissão de alfaiate com o mestre Belmiro Abreu e ficou a residir nesta vila. Muitos melómanos povoenses ainda se lembram dele, da sua baixa estatura, mas, ao mesmo tempo, da sua grande classe como músico. Foi regente orientado pelo grande mestre Narciso Oliveira, mas, sendo um grande executante, nuca se afirmou como bom regente. Os outros músicos começaram a desacreditar nele e a não comparecer aos ensaios necessários. A isto juntou-se o contexto da guerra colonial e o “boom” da emigração para França, o que levou alguns jovens músicos a partirem para o ultramar ou a procurarem melhor vida além fronteiras da pátria. A Banda vai entrar nos anos seguintes num período de dificuldades e de inatividade.

António Pereira de Sousa

1987-1988

Com um papel fundamental na reorganização e refundação da BMBVPL, após um longo período de inatividade (cerca de 20 anos), a si se fica a dever a principal responsabilidade na formação de um vasto conjunto de alunos recrutados para dar corpo (e alma) à nossa banda. A função de António Sousa releva ao assumir a regência da BMBVPL nesta fase inicial, para além da preparação do importante naipe de jovens músicos, alguns dos quais ainda hoje dão alma à nossa Banda… e que, também ainda hoje, todos os povoenses reconhecem! Obrigado!!!

Jacinto Maria

1989-1990

Nascido em Santiago do Cacém em 12.08.1936 (f. Guimarães, 30.08.2017), destacou-se como um exímio instrumentista de fagote e contrafagote, tendo em determinado período passado pela percussão sinfónica e, nos últimos anos de sua carreira, exercido a função de maestro. Integra, por concurso, a Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana, atingido o posto de 1º Sargento-músico, chefe de naipe e solista, em fagote. Já como músico profissional, cursou no Conservatório Nacional de Lisboa, cultivando grande amizade com o maestro Fernando Lopes-Graça. Como maestro dirigiu a Filarmónica União Artística e o Grupo Coral Harmonia da terra Natal, Santiago do Cacém; a Sociedade Filarmónica União Artística e Grupo Coral de Grândola; a Banda Marcial de Bairros, de Castelo de Paiva; a Banda de Pessegueiro do Vouga; a Banda dos Bombeiros Voluntários de Póvoa de Lanhoso; a Banda Musical de Parafita e a Banda da Torre (Chaves).

Luis Maria de Freitas Matos*

1991-2005

Iniciando a sua aprendizagem na Banda Musical das Caldas das Taipas - Guimarães, aos 10 anos ingressa no Conservatório de Música de Braga (trombone) e aos 16 ingressou na Banda da Região Militar do Norte (RIP). Conclui o conservatório e prossegue estudos em piano e canto, regendo diversos grupos corais. Durante anos leciona também na Escola Professor Gonçalo Sampaio na Póvoa de Lanhoso, o que poderá ter contribuindo para que a sua passagem pela BMBVPL fosse particularmente duradoura, aportando estabilidade ao trabalho desenvolvido.

Manuel Vieira

2007-2009

Natural da Póvoa de Lanhoso e músico de formação, licenciado pela Universidade de Aveiro (em trombone, música de câmara e orquestra) e Master pelo Royal Northern College of Music, University of Sheffield. Assume a Direção artística da BMBVPL num momento de renovação, período em que se assiste a uma particularmente séria aposta no crescimento e desenvolvimento da formação, assumindo-se a nossa banda como a principal dinamizadora da formação musical no concelho da Póvoa de Lanhoso, com atividade formativa descentralizada.

Fernando Ribeiro

2009-2017

Natural de Freamunde e residente em Famalicão, é professor no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian (Braga). Regeu a BMBVPL durante mais de 8 anos, aportando-lhe continuidade e estabilidade, desenvolvendo um importante trabalho num período em que algumas dificuldades acabaram por se fazerem sentir, desde o falecimento do Presidente em exercício Joaquim Galão, à austeridade a que o país esteve sujeito com a intervenção externa. Durante a sua regência a banda participou regularmente no Concurso de Bandas Filarmónicas de Braga desde a primeira edição, e por aqui fazendo escola muitos alunos do Conservatório Calouste Gulbenkian, alguns dos quais durante mais de 10 anos.

André Pinheiro

2017-2018

Natural de Vila Verde (1990), onde inicia os seus estudos musicais aos 8 anos. Licenciado em Trompa e Mestrado em Ensino da Música pela Universidade de Aveiro. Inicia a sua atividade de docente em 2007 na Escola de Música da Banda de Amares, seguindo-se a Escola da Banda de Música dos Bombeiros Voluntários da Povoa de Lanhoso (2009) e na Academia de Música de Vila Verde (2013); sendo responsável pela classe de Trompa na Academia de Artes de Chaves (2015). Dirigiu a Escola da Banda de Música dos Bombeiros Voluntários da Povoa de Lanhoso desde 2013, e em Outubro de 2017 assume interinamente a direção artística da Banda de Música Bombeiros Voluntários da Povoa de Lanhoso.

Luís Ribeiro

2018 - ...

Natural de Caldas das Taipas, começou, aos 11 anos de idade, a estudar música na Banda Musical da sua terra natal. Em 1995 ingressou no Conservatório de Música do Porto e, posteriormente, na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo da mesma cidade, onde conclui a licenciatura em instrumento/saxofone.

Bibliografia:
COELHO, José Abílio, Paixão Bastos (1870-1947): vida e obra de um escritor de província, Póvoa de Lanhoso, Jornal “Terras de Lanhoso”, 2007, pp. 18-21.
COELHO, José Abílio. https://dicionariodepovoenses.blogspot.com/ (acedido em 06.03.2020).
Silva, José Bento da, Em Cena. Teatro-Club (1904-2004), Póvoa de Lanhoso, ed. Autor, 2005, p.164.
SILVA, José Bento da. Bandas de Música do Concelho da Póvoa de Lanhoso – Subsídios para a sua História”, Cadernos Culturais ACJP, N.º 2, Póvoa de Lanhoso, 1992.
Jornal Maria da Fonte
Jornal Póvoa de Lanhoso